Cuiabá (MT), 14 de dezembro de 2017 - 03:28

? ºC Cuiabá - MT

Noticias

07/12/2017 10:13

Grupo suspeito de cometer fraudes e sonegar R$ 140 milhões em ICMS é alvo de operação em MT e SP

Grupo composto por empresários, contadores, comerciantes e corretores é alvo da operação ‘Crédito podre’, realizada nesta quinta-feira (7) pela Polícia Civil em seis cidades de Mato Grosso e em São Paulo. De acordo com a Polícia Civil, eles são suspeitos de cometerem fraude na comercialização de grãos e também de sonegarem mais de R$ 140 milhões em ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços).

 
Esquema de fraudes na comercialização de grãos é alvo de operação

Esquema de fraudes na comercialização de grãos é alvo de operação

Segundo a Polícia Civil, devem ser cumpridos 16 mandados de prisão preventiva, 34 ordens de busca e apreensão e 9 conduções coercitivas, expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá. Os mandados são cumpridos nas cidades Cuiabá, Várzea Grande, Campo Verde, Rondonópolis, Sorriso, Barra do Garças e Indaiatuba (São Paulo).

Mandados da Operação Crédito Podre são cumpridos nas cidades Cuiabá, Várzea Grande, Campo Verde, Rondonópolis, Sorriso, Barra do Garças e Indaiatuba (Foto: TVCA/Reprodução)

Mandados da Operação Crédito Podre são cumpridos nas cidades Cuiabá, Várzea Grande, Campo Verde, Rondonópolis, Sorriso, Barra do Garças e Indaiatuba (Foto: TVCA/Reprodução)

Na investigação foi descoberto a constituição de mais de 30 empresas, de fachada ou mesmo fantasmas, com a finalidade de simular operações internas de venda de grãos, para criação de créditos suspeitos de ICMS, ou seja, elas documentavam toda a operação simulada como tributada, lançando o ICMS devido, mas o recolhimento não era feito.

Para consolidação da transação, os contadores emitiam notas fiscais pelas empresas de fachadas a favor das empresas, que procediam ao pedido de autorização de crédito de ICMS, que era protocolado na Secretaria de Fazenda.

 O sistema da Sefaz promovia a validação formal do crédito, checando a emissão da nota fiscal de venda.

Com o crédito validado, a organização criminosa requeria a expedição do Registro de Utilização de Crédito (RUC). Este documento formal promove a compensação do crédito devido quanto da venda interestadual. Dessa forma, a mercadoria deixava o estado sem proceder ao recolhimento do tributo incidente.

Os envolvidos no esquema responderão por crimes de organização criminosa, falsidade ideológica, falsificação de documentos, uso de documento falso, uso indevido de selo público e sonegação fiscal..

Fonte:https://g1.globo.com/

Veja a lista de presos:  

Clóvis Conceição da Silva

Rogério Rocha Delmindo

Diego Jesus da Conceição - Empresário - proprietário da empresa Agropecuaria Itauna

Marcelo Medina - 

Wagner Fernandes keling - sócio da Verd Agra Commodities Ltda

Valdecir Marques

Rinaldo B. Ferreira Junior

Theo Marlon Medina - sócio da Vigor Comercio de Cereais Ltda

Paulo H. Alves Ferreira

Paulo Serafim da Silva

Rivaldo Alves da Cunha - sócio da Boaventura Transportes E Construcoes

Kamil Costa de Paula

Evandro Teixeira de Rezende

Paulo Pereira da Silva

Jean Carlos Lara - sócio da Nutri Lara Industria e Comercio de Cereais

Neuza Lagermann de Campos

 

 


Fale Conosco

Fone (65) 3023-2102
maxnoticiascontato@gmail.com

 

Assessoria Jurídica.

Marcos Davi Andrade

Copyright 2015 - Todos os direitos reservados.
Max Notícias.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo