Cuiabá (MT), 24 de fevereiro de 2021 - 16:48

? ºC Cuiabá - MT

Noticia

21/01/2021 07:32 G1MT

Advogada assume cargo após presidente do Indea-MT ser denunciado por assédio sexual

Emanuele é advogada, concursada e trabalha há sete anos no órgão de defesa, exercendo anteriormente o cargo de diretora administrativa.

A servidora Emanuele Gonçalina de Almeida, de 39 anos, foi nomeada presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT). A nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial desta quarta-feira (20).

O presidente anterior, Marcos Catão Dornelas Vilaça, foi denunciado por uma ex-servidora da pasta por assédio sexual supostamente cometido no final do ano passado. Com a repercussão e pressão de movimentos sociais, ele pediu afastamento do cargo na segunda-feira (18).

Emanuele é advogada, concursada e trabalha há sete anos no órgão de defesa, exercendo anteriormente o cargo de diretora administrativa.

“A nova presidente tem como objetivo dar continuidade ao trabalho iniciado no Indea na gestão do governador Mauro Mendes, valorizar o servidor do Instituto e trabalhar de forma democrática com a área técnica”, disse a assessoria da pasta.

 

Até Quando?

Antes do anúncio de Marcos Catão, cerca de 50 mulheres que fazem parte do movimento “Até Quando?” realizaram uma manifestação contra a atitude do governo estadual em manter no cargo o presidente do Indea.

A manifestação surgiu do grupo “Mulheres MT”, e conta também com uma série de vídeos com o tema “Até quando?”.

 

O caso

A vítima, de 19 anos, hoje ex-servidora do estado, atuou como assessora do presidente por sete meses. Um boletim de ocorrência foi registrado no dia 16 de novembro na Polícia Civil de Cuiabá, que investiga o caso.

 

De acordo com a vítima, ela era responsável por auxiliar o presidente, servir café e outras atividades da função dela.

No dia 12 de novembro, a ex-assessora relatou que entrou na sala do presidente para repor garrafas de água e que passou a ser assediada. Catão teria dito que ‘ela não precisava ficar de máscara na sala’.

Em seguida ele teria massageado o órgão sexual dele sobre a calça, olhando para a vítima.

A jovem relatou, em depoimento, que ficou em choque, mas mesmo assim trabalhou no dia seguinte. Ela decidiu contar sobre o episódio à família dela, que a aconselhou a pedir desligamento do Indea e registrar boletim de ocorrência.

A exoneração da servidora foi feita no dia 16 de novembro e publicada no dia 24 de novembro no Diário Oficial do Estado (DOE).


Fale Conosco

Fone (65) 3023-2102

Patricia Bueno Mussi
redacao@maxnoticias.com.br

 

 

Assessoria Jurídica.

Marcos Davi Andrade

Copyright 2015 - Todos os direitos reservados.
Max Notícias.

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo