Cuiabá (MT), 22 de maio de 2019 - 18:51

? ºC Cuiabá - MT

Brasil

10/05/2019 18:43

Se não reverter mudança do Coaf, governo manterá equipe e estrutura montadas por Moro

O governo do presidente Jair Bolsonaro ainda vai tentar reverter a decisãoque tirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça e conta com pressões das redes sociais sobre parlamentares. Sabe, porém, que não será tarefa fácil.

Caso a derrota do Palácio do Planalto seja confirmada nos plenários da Câmara e do Senado, o presidente da República já decidiu, porém, que a equipe e estrutura do órgão montadas pelo ministro Sergio Moro serão mantidas.

Bolsonaro mantém como prioridade reforçar o órgão para cumprir uma de suas promessas de campanha: intensificar o combate à corrupção. Foi por isso, inclusive, que atendeu ao pedido de Sergio Moro e transferiu o Coaf da área econômica para a da Justiça.

Moro nomeou para dirigir o Coaf um homem de sua confiança, Roberto Leonel, auditor da Receita Federal que atuou nos trabalhos da Operação Lava Jato na época em que o atual ministro comandava, como juiz, a 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba.

Ele ainda decidiu reforçar a estrutura do conselho, que contava com 37 servidores, aumentando a equipe do Coaf. Ou seja, mesmo que o órgão volte para a área econômica, o governo já decidiu que nada muda nas orientações de reforço da musculatura do conselho para combater a corrupção.

O governo foi derrotado na comissão mista que analisou a medida provisória que reestruturou a Esplanada dos Ministérios. Numa aliança entre partidos do Centrão e da oposição, o Coaf saiu das mãos de Sergio Moro e retornou para a área econômica.

Agora, o parecer aprovado na comissão terá de ser votado nos plenários da Câmara e do Senado. Isso tem de ocorrer antes de 3 de junho, quando a MP perde validade.

Apesar de reconhecerem que a tarefa de reverter as derrotas não será fácil, assessores presidenciais contam com um aumento da pressão das redes sociais para mudar o cenário no plenário.

Bolsonaro reclamou com seus articuladores que, mesmo cedendo e admitindo recriar os ministérios das Cidades e da Integração Nacional, acabou sendo derrotado pelo Centrão.

Ele, porém, mantém sua decisão de nomear para a pasta das Cidades um nome com aval do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e de líderes do Centrão. Tudo em nome de aprovar a reforma da Previdência.

 

Fale Conosco

Fone (65) 3023-2102
redacao@maxnoticias.com.br

 

Assessoria Jurídica.

Marcos Davi Andrade

Copyright 2015 - Todos os direitos reservados.
Max Notícias.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo